Traços da perambulação no Cinema Marginal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v17.ed33.2016.157

Palavras-chave:

Cinema brasileiro moderno, Cinema Marginal, Perambulação

Resumo

Para definir os traços da perambulação no Cinema Marginal, este artigo articula definições teóricas, a contextualização artístico-cinematográfica e o mapeamento de um grupo de filmes, tomados a partir de suas formulações físicas, temáticas e quanto à experiência das personagens, dividindo-os em quatro chaves: perambulações automotivas, perambulações pedestres, perambulações proféticas e perambulação em sintonia com o descompasso social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Raddi Uchôa, UTP

Possui Mestrado e Doutorado em Ciências da Comunicação, pela ECA/USP, realizados respectivamente com bolsas FAPESP e CAPES. Graduação em Ciências Sociais pela FFLCH/USP e Pós-Doutorado em Imagem e Som (PPGIS/UFSCar). Atualmente, é Professor Adjunto do PPGCom/UTP. Tem experiência nas áreas de comunicação, cinema , tratamento de acervos e sociologia urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema moderno, cinema experimental e, no contexto da produção audiovisual atual, a migração de procedimentos entre cinema, publicidade e séries de TV. É autor do livro "Ozualdo Candeias e o cinema de sua época (1967-83) - perambulação, silêncio e erotismo" (2019, Alameda Editorial). Foi membro do Conselho Deliberativo da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (2013-17) e, no momento, compõe o Conselho Fiscal da entidade (gestão 2019-2021) Pesquisa em curso: A vanguarda Letrista e o cinema de Maurice Lemaitre. É coordenador do grupo Cine&Arte (CNPQ) e pesquisador dos grupos História da Experimentação no Cinema e na Crítica (USP) e Cinemídia (UFSCar). 

Publicado

2016-12-10

Edição

Seção

Artigos