Narrativas juvenis e socialização reflexiva

Do que falam os jovens quando falam de mídia?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed43.2021.224

Palavras-chave:

Juventude, narrativa, mídia, socialização, experiência

Resumo

Este artigo condensa algumas reflexões a respeito da condição juvenil (DAYRREL, 2007), a partir das interações com estudantes do 8º ano de uma escola pública do município de Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro. Durante uma oficina de produção e leitura crítica da mídia, em que se propunham discussões sobre o funcionamento e as funções do jornalismo na sociedade, pudemos observar como os estudantes pautam suas demandas frente à escola e expressam, de diferentes formas, sua maneira particular de “produzir a juventude” (DUBET, 1994), nas próprias narrativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Baiense Felix, Universidade Federal Fluminense - UFF

Professora Adjunta e pesquisadora da Universidade Federal Fluminense, vinculada ao Departamento de Comunicação Social e ao Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano da mesma universidade. Pós-doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Lidera o grupo de pesquisa Mídias, redes e jovens: usos e apropriações em contextos digitais (CNPq 2014). Investiga as novas formas de produção, circulação e consumo de informação entre os jovens e seus efeitos político-sociais e a representação de jovens e outros grupos sociais nos produtos midiáticos. Sua atual pesquisa "Visões da juventude: Midiatização, letramento e produção de sentidos entre jovens secundaristas" integra o projeto "Juventude e suicídio: percursos midiáticos e suas interfaces com a Educação?, contemplado com o EDITAL PARA GRUPOS EMERGENTES/2019, da FAPERJ. É doutora e mestra em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ e formada em Jornalismo pela Universidade Federal Fluminense, com especialização em Marketing pelo Instituto Coppead/UFRJ. Atuou como editora, subeditora e repórter em jornais e revistas especializados em negócios e novas tecnologias e na coordenação de projetos editoriais para veículos online. 

Referências

CORROCHANO, Maria Carla; DOWBOR, Monika; JARDIM, Fabiana A.A. Juventudes e participação política no Brasil do século XXI: quais horizontes? Laplage em Revista (Sorocaba), vol.4, n.1, jan.-abr. 2018, p.50-66.

DAYRREL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1105-1128, out. 2007.

DUBET, François. Sociologie de l’expérience. Paris: Seuil, 1994.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Ofício de cartógrafo. Travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

MARTUCCELLI, Danilo. Grammaires de l´individu. Paris: Gallimard, 2002.

SETTON, Maria Graça Jacintho. Teorias da socialização: um estudo sobre as relações entre indivíduo e sociedade. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 711-724, dez. 2011.

SILVEIRA, Éder da Silva. Entrevista com François Dubet. Estigmas e discriminações – a experiência individual como objeto. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 38, n. 1, p. 157-161, jan.-abr. 2015.

PAPPÁMIKAIL, Lia; VIEIRA, Maria Manuel. A (in) disponibilidade dos sujeitos como objeto de estudo: reflexões a partir de duas pesquisas com adolescentes. In: FERREIRA, Vítor Sérgio (org). Pesquisar jovens. Caminhos e desafios metodológicos. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2017. p. 33-55.

WAUTIER, Anne Marie. Por uma Sociologia da Experiência. Uma leitura contemporânea: François Dubet. Revista Sociologias, Porto Alegre, ano 5, nº 9, jan/jun, 2003, p. 174-214.

WELLER, Wivian. A atualidade do conceito de gerações de Karl Mannheim. Revista Sociedade e Estado - Volume 25 Número 2 Maio / Agosto 2010.

ZAPPAZ, Ivanês; VARGAS, Juliana Ribeiro de. Não tenho tempo para nada! A constituição das práticas de lazer de jovens contemporâneos. In: MACHADO, Otávio Luiz (Org.). Juventudes e sociedades no Brasil: estudos transdisciplinares. Volume 2 - Políticas públicas de juventude; Expressões culturais, juventudes e comunicação. Frutal-MG: Editora Prospectiva, 2016.

Publicado

2021-05-24

Edição

Seção

Artigos