Sob o risco da realidade virtual

uma análise do documentário Step to the Line

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v22.ed47.2022.300

Palavras-chave:

Cinema, Documentário, Comunicação, Realidade virtual, Step to the Line

Resumo

O presente artigo propõe uma discussão sobre os efeitos da ruptura do quadro monocular do cinema tradicional pela realidade virtual na linguagem do documentário. A partir da análise do filme Step to the Line (Ricardo Laganaro, 2017), buscamos evidenciar que o cinema pode alcançar outros patamares de experiência e, no caso do documentário, elevar o risco do real no ambiente virtual por meio de estímulos multissensoriais simultâneos gerados pelo computador. Iniciamos o texto com uma breve revisão do conceito de realidade virtual a partir do ponto de vista comunicacional para em seguida discorrer sobre as novas possibilidades de inscrição do cinema documentário propiciadas pela dimensão panóptica desse meio virtual. Nos interessa ainda discutir algumas das perspectivas de Bill Nichols (2005) e Jean-Louis Comolli (2008) sobre a influência das viradas subjetivas nas transformações mais recentes no domínio do cinema documental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jamer Guterres de Mello, Universidade Anhembi Morumbi

Docente no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (PPGCOM-UAM), com Pós-Doutorado em Comunicação pelo PPGCOM-UAM. Doutor em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com Estágio Sanduíche realizado na Universitat Autónoma de Barcelona (UAB).

Marcella Ferrari Boscolo, Universidade Anhembi Morumbi

Mestra em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (PPGCOM-UAM), bacharel em jornalismo pela Universidade Nove de Julho

Referências

BENTHAM, Jeremy. O Panóptico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

BIOCCA, Frank; LEVY, Mark R. Virtual Reality as a Communication System. In: Communication in the age of virtual reality. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1995. p. 15-32.

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e poder: a inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

DEUTSCHER, Guy. Through the language glass: Why the world looks different in other languages. New York: Metropolitan books, 2010.

FOUCAULT, Michel. A sociedade punitiva. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

___________. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2006.

LAGANARO, Ricardo. Depoimento oral [maio, 2022]. Entrevistadora: Marcella Ferrari Boscolo. Gravação em celular, via WhatsApp. Entrevista inédita concedida exclusivamente para esta pesquisa.

LÉVY, Pierre. O que é o Virtual. São Paulo: Editora 34, 1996.

MANOVICH, Lev. Novas Mídias como Tecnologia e ideia: dez definições. In: LEÃO, Lucia (Org). O Chip e o Caleidoscópio. Reflexões sobre novas mídias. São Paulo: Editora Senac, 2005. p. 23-50.

MCLUHAN, Marshall. Os Meios de Comunicação como extensões do homem. São Paulo Editora Cultrix, 1969.

NICHOLS, Bill. Introdução ao Documentário. Campinas: Papirus. 2005.

OSCARS. Alejandro González Iñárritu Accepts a Special Oscar for Carne Y Arena. YouTube, 12 nov. 2017. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=jGI-nCuQuFY&feature=emb_title>. Acesso em: 04 de out. de 2021.

PELLINI, J. R. Uma Conversa sobre Arqueologia e Paisagem com Robin o Bom Camarada. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, n. 19, p. 21-37, 2009. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/89869. Acesso em: 12 out. 2021.

SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço. São Paulo: Paulus. 2004.

STEP to the Line. Direção: Ricardo Laganaro. Produção: O2 e Oculus. Estados Unidos: Reel FX Creative Studios, 2017.

STEUER, Jonathan. Defining Virtual Reality: Dimensions Determining Telepresence. In: BIOCCA, Frank; LEVY, Mark R. (Orgs.). Communication in the age of virtual reality. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1995. p. 33-56.

Publicado

2022-10-10

Edição

Seção

Dossiê Cartografias da comunicação na era algorítmica