Narrativas na Comunicação:

A persistência mitogênica

Autores

  • Ana Taís Martins Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v20.ed40.2020.46

Palavras-chave:

Comunicação, Narrativa, Imaginário, Mito, Símbolo

Resumo

Este artigo questiona a persistência mitogênica nas narrativas comunicacionais contemporâneas e os modos de investigá-la. Para tanto, apresenta o sermo mythicus como a narrativa fundamental que orienta a experiência humana em todas as épocas e culturas. Pergunta-se sobre a eficácia simbólica das transposições do mito na mídia, situando o mito no contexto do imaginário, relacionando-o a schèmes, arquétipos e imagens simbólicas. Em seguida, descreve as mutações necessárias a um dado sermo mythicus para que seja possível sua sobrevivência nas instâncias da consciência social. Aventa-se que o mesmo processo de usura e degradação sofrido pelo mito dá origem a enganos que levam os estudos do imaginário a desvalorizarem o sermo mythicus. Conclui que o simbólico permanece vivo mesmo nas imagens empobrecidas das narrativas míticas enrijecidas na
consciência social e que o papel do assim chamado mitólogo das Comunicações é desocultar os sentidos reprimidos do mito. Esse trabalho afilia-se à Teoria Geral do Imaginário, principalmente através de G. Durand e J.-J. Wunenburger.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Taís Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

PPGCOM/UFRGS

Publicado

2020-07-10

Edição

Seção

Dossiê Narrativas midiáticas: tempo presente e história cultural