Eu fui o que tu és, e tu serás o que sou

Um olhar fenomenológico das narrativas em epitáfios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v20.ed40.2020.47

Palavras-chave:

Comunicação, Sedação, Zona Autônoma Temporária, Narrativa, Epitáfio

Resumo

Amparados pelo diagnóstico de Baitello Junior sobre a condição sedada do humano,
compreendemos que uma vida sedada pressupõe a pobreza da experiência, consequentemente, a
dificuldade em registrar/construir as memórias. Com a finalidade de identificar a existência de Zonas
Autônomas Temporárias, consideradas como eventuais brechas na lógica da sedação, por meio da
perspectiva fenomenológica, visitamos um cemitério em Sorocaba-SP, a fim de experimentar
narrativas contidas em epitáfios. Partimos da premissa de que os epitáfios são uma tentativa de
narrativizar de forma concisa as diversas experiências que compuseram a vida de alguém. As
narrativas encontradas expuseram o abandono dos mortos, a repetição de frases feitas e a quebra
da expectativa na relação narrativas imaginadas e narrativas encontradas pelos autores do texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-07-10

Edição

Seção

Dossiê Narrativas midiáticas: tempo presente e história cultural