Análise etnográfica do consumo da mídia social por jovens

Ação social de combate ao suicídio no Facebook

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v20.ed41.2020.83

Palavras-chave:

Consumo, Suicídio, Juventudes, Culturas digitais, Facebook

Resumo

Este artigo busca compreender o consumo da mídia social por jovens que desenvolvem práticas de combate ao suicídio no Facebook. A análise é realizada através de uma experiência etnográfica na internet que conduziu a pesquisa por doze meses. A partir da imersão no grupo Suicida, observou-se a produção de uma cena social que cria e valoriza espaços de pertencimento. Nesse sentido, entende-se o consumo na lente socioantropológica como produtor de lugares, experiências, e uma estratégia, utilizada por diferentes grupos sociais, definidora de situações cotidianas. Parte-se da concepção sociológica do suicídio que entende esse fenômeno como um ato de comunicação incorporado na internet. Foram analisadas práticas juvenis organizadas em ações colaborativas, promovendo um ambiente autorizado para expressar ideações suicidas. Com isso, argumentamos que, o consumo da mídia social torna-se elemento privilegiado para a manutenção de laços sociais, ajudando a combater o suicídio entre jovens que manifestam comportamentos suicidas em ambientes online.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Rubia da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Antropologia Social (UFSC), com estágio de doutorado-sanduíche no University College London (UCL).

Aline Amaral Paz, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em Comunicação Midiática na linha de Mídia e Estratégias comunicacionais pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.
Mestra em Comunicação/UFSM. Integrante do grupo de Pesquisa "Consumo e Culturas Digitais" do POSCOM/UFSM.

Publicado

2020-10-02

Edição

Seção

Dossiê Narrativas midiáticas: tempo presente e história cultural