A questão identitária nas eleições municipais de 2020

uma genealogia do conceito de “identitarismo” no Twitter

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v23.ed51.2023.365

Palavras-chave:

Twitter, Eleições municipais, Identidade, Raça, Gênero

Resumo

As eleições municipais no Brasil em 2020 foram marcadas, entre outras coisas, pelo debate da representação identitária dos candidatos. Nas plataformas de redes sociais, a questão foi amplamente discutida e pautaram parte do processo, incluindo o surgimento de neologismos como “identitarismo”. Esta pesquisa, de método misto, com uma etapa de processamento automatizado de linguagem natural e uma outra, genealógica, tem como objetivo compreender o que está sendo chamado de “identitarismo” no Twitter, de quais fenômenos o conceito tenta dar conta e o que ele tem produzido no jogo político atual. Após elaborarmos sobre a teorização sobre representação e identidade, discorremos sobre as disputas políticas ao redor da raça, do gênero e da sexualidade, e as controvérsias produzidas sobre os partidos políticos alinhados à esquerda no Twitter. Concluímos que o “identitarismo” é usado como uma adjetivação que classifica um suposto movimento, perspectiva, partido ou ação política que inclui em sua base questões de minorias raciais, de gênero e sexuais. Entretanto, fica evidente que nenhum movimento se reivindica enquanto “identitarista” e, de modo geral, o uso do termo é para depreciar estratégias políticas que se baseiam prioritariamente na defesa de algumas minorias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Rodrigo da Silva Ferreira, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidade (UFES)

Estágio pós-doutoral no PPG em Comunicação e Territorialidade da UFES. Bolsista Capes. Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas (POSCOM/UFBA). 

Referências

AGUIAR, Thais Florencio De. A demofobia na democracia moderna. Dados, [S. l.], v. 54, n. 4, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582011000400004.

ALMEIDA, Silvio Luiz De. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ANÍBAL, Felippe. Arco-íris na urna. 2020. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/arco-iris-na-urna/.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CAMPOS, Luiz Augusto; MACHADO, Carlos. A cor dos eleitos: determinantes da sub-representação política dos não brancos no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Política, [S. l.], n. 16, p. 121–151, 2015. DOI: 10.1590/0103-335220151606. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151606. Acesso em: 11 fev. 2021.

DW. O avanço da diversidade na eleição municipal de 2020. 2020. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/o-avanço-da-diversidade-na-eleição-municipal-de-2020/a-55641506.

FELIX, Renan Paes; PEREIRA, Lucas Clemente de Brito; BEZERRA, Pedro Ivo Soares. O regime representativo e sua crise. Revista Jus Navigandi, [S. l.], v. 9, n. 212, 2004.

FERREIRA, Sérgio Rodrigo da Silva. Que história contam os rastros digitais no Facebook sobre a recente história do movimento de pessoas transgêneras no Brasil? In: ENCONTRO VIRTUAL DA ABCIBER 2020 2020, Anais [...]. : Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura, 2020. Disponível em: http://abciber.org.br/simposios/index.php/virtualabciber/virtual2020/schedConf/presentations.

FRASER, Nancy. La justicia social en la era de la política de la identidad: redistribuición, reconocimiento y participación. In: FRASER, Nancy; HONNETH, Axel (org.). ¿Redistribuición o Reconocimiento?: un debate político-filosófico. Madri: Pandeia Galiza-Morata, 2006.

MARQUES, Vera Lucia; D’ÁVILA, Paulo. O movimento LGBT e os partidos políticos no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Política, [S. l.], n. 3, p. 1–34, 2010. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/29084. Acesso em: 11 fev. 2021.

NÚMERO, Gênero e. Eleições 2020. 2020. Disponível em: http://generonumero.media/eleicoes2020/.

PEREIRA, Cleyton Feitosa. Movimento LGBT e Partidos Políticos: construindo uma Agenda de Pesquisa. Cadernos de Gênero e Diversidade, [S. l.], v. 3, n. 4, p. 121–132, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/23799/15432.

PINTO, Céli Regina Jardim. Mulher e Política no Brasil: Os impasses do feminismo, enquanto movimento social, face às regras do jogo da democracia representativa. Revista Estudos Feministas, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 256–270, 1994. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16109.

PITKIN, Hanna Fenichel. Representação: palavras, instituições e idéias. Lua Nova, [S. l.], n. 67, p. 15–47, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0102-64452006000200003.

REGATTIERI, Lorena Lucas. Bots como agentes de expressão: regime de visibilidades e o poder de criar redes. Revista Contracampo, [S. l.], v. 38, n. 3, 2019. Disponível em: https://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/28504.

REPÚBLICA, Presidência Da. Lei no 12.034, de 29 de setembro de 2009. 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12034.htm#art3.

REZENDE, Daniela Leandro; SILVA, Brenda Rodrigues Barreto. Gênero e partidos políticos : uma análise exploratória de comissões executivas e suas implicações para a representação política de mulheres. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIÊNCIA

POLÍTICA 2018, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: ABCP, 2018. p. 1–19. Disponível em: http://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui/handle/bdtse/5951. Acesso em: 11 fev. 2021.

SACCHET, Teresa. A Culpa é dos Partidos: desigualdades de gênero em disputas eleitorais. In: BIROLI, Flavia; TATAGIBA, Luciana; ALMEIDA, Carla; HOLANDA BUARQUE DE, Cristina; OLIVEIRA ELIAS DE, Vanessa (org.). Mulheres, Poder e Ciência Política: Debates e Trajetórias. Campinas: Editora Unicamp, 2020. p. 376.

SANTOS, Gustavo Gomes da Costa. Diversidade sexual e política eleitoral: Analisando as candidaturas de travestis e transexuais no Brasil contemporâneo. Sexualidad, Salud y Sociedad (Rio de Janeiro), [S. l.], n. 23, p. 58–96, 2016. DOI: 10.1590/1984-6487.sess.2016.23.03.a. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2016.23.03.a. Acesso em: 11 fev. 2021.

SANTOS, João Vitor; FACHIN, Patricia. Eleições 2020: em meio à pandemia, crescimento do PSOL, derrota de Bolsonaro, vitória do Centrão e avanço de indígenas, negros, LGBTQ+. 2020. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/604699-eleicoes-2020-em-meio-a-pandemiacrescimento-do-psol-derrota-de-bolsonaro-vitoria-do-centrao-e-avanco-de-indigenas-negros-lgbtq-confiraalgumas-analises.

SPERB, Paula. Ministério Público denuncia seis pessoas por morte de Beto Freitas no Carrefour. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/12/ministerio-publico-denuncia-seispessoas-por-morte-de-beto-freitas-no-carrefour.shtml?origin=uol. Acesso em: 27 fev. 2021.

YOUNG, Iris Marion. Representação política, identidade e minorias. Lua Nova: revista de cultura e política, [S. l.], n. 67, p. 139–190, 2006.

Downloads

Publicado

2024-01-05

Como Citar

Ferreira, S. R. da S. (2024). A questão identitária nas eleições municipais de 2020: uma genealogia do conceito de “identitarismo” no Twitter. ALCEU, 23(51), 70–93. https://doi.org/10.46391/ALCEU.v23.ed51.2023.365

Edição

Seção

Dossiê Comunicação e Cidadania