Produzindo animação

o animador como profissional em trabalho colaborativo e o mito do artista genial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v17.ed33.2016.156

Palavras-chave:

Animação, Prática social, Autoria

Resumo

Este artigo apresenta uma análise sobre o trabalho do profissional especializado em animação, a partir de uma perspectiva da animação como prática social. Do mesmo modo, procura esclarecer a natureza dessa prática e entender as causas da noção de artista como gênio prevalecer dentro de um universo de saberes e procedimentos coletivos, tal como o cinema de animação. Usamos como ponto de partida de nossa análise o trabalho sobre biografias de artistas, de Kris e Kurz, a noção de “mundo” da arte, de Becker, em diálogo com a noção de “campo”, de Bourdieu e os conceitos de arte e ideologia formulados por Wolff.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Cipiniuk, PUC-Rio

Possui Licenciatura com Habilitação Plena em História da Arte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1978), mestrado em Filosofia Estética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985) e doutorado em Filosofia e Letras - Université Libre de Bruxelles (1990). Professor Associado e aposentado do Departamento de Teoria e História da Arte do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Desenho Industrial, com ênfase em Desenho de Produto e Comunicação Visual, atuando principalmente nos seguintes temas: campo do design, design, historia social da arte, comunicação visual e representação social da imagem. Líder de grupo de pesquisa registrado no Diretório do CNPq.

Leonardo Freitas Ribeiro, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio

Doutor em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, mestrado em Design e especialização em Animação, ambos também pela PUC-Rio e graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora.

Publicado

2016-12-10

Edição

Seção

Artigos