De “Holocausto” (1978) a “Chernobyl” (2019)

O que pode o audiovisual face a um passado traumático e a um futuro ameaçado?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed43.2021.221

Palavras-chave:

audiovisual, testemunho, políticas da memória, pedagogia, imaginação

Resumo

A partir da história cultural da repercussão da série de TV “Holocausto” (1978), que redefiniu políticas de governo e instaurou uma inédita centralidade do testemunho no campo da cultura, abalando o modo como o genocídio judeu era até então percebido, o artigo pretende discutir, em cotejo com a série “Chernobyl” (2019) e outras produções cinematográficas, o que pode o audiovisual face a distintas formas de violência de Estado, a um passado traumático e a um futuro ameaçado. Para tanto, por meio das contribuições da historiadora Annette Wieviorka e do filósofo e historiador das imagens Georges Didi-Huberman, bem como do pensador de origem indígena Ailton Krenak e da escritora Svetlana Aleksiévitch, entre outros, exploraremos as relações entre políticas da memória, pedagogia e imaginação, em um contexto de catástrofes ambientais e pandemias globais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilana Feldman, Universidade de São Paulo - USP

Tem pós-doutorado em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA-USP, com a pesquisa "Narrar o trauma, escrever o luto e imaginar, apesar de tudo: testemunho e autobiografia entre cinema e literatura" (bolsa PNPD, Capes, 2017-2020), e pós-doutorado em Teoria Literária pelo IEL-UNICAMP, onde desenvolveu a pesquisa "Os diários cinematográficos de David Perlov: do privado ao político" (bolsa FAPESP, 2014-2017). É doutora em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, com a tese "Jogos de cena: ensaios sobre o documentário brasileiro contemporâneo" (bolsa Capes, 2008-2012). Durante o doutorado, realizou estágio de pesquisa no Departamento de Filosofia, Artes e Estética da Université Vincennes Saint-Denis Paris 8, França (bolsa PDEE, Capes, 2011). 

Referências

ADORNO, Theodor W. “Crítica cultural e sociedade”. In: Indústria Cultural e Sociedade. Trad. Juba Elisabeth Levy. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

______. “Les fameuses Années Vingt”. In: Modèles critiques. Trad. Marc Jimenez e Eliane Kaufholz. Paris:Payot, 2003, p.51-59.

______. Educação após Auschwitz. In: Educação e Emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Paz e Terra, 2003, p. 119-138.

______; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro:Jorge Zahar, 1985.

AHMED, Sarah. The cultural politics of emotions. New York: Routledge, 2004.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

ALESIÉVITCH, Svetlana. Vozes de Tchernóbyl. Trad. Sonia Branco. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

BENJAMIN, Walter. “Teses sobre o conceito de história”. In: Obras escolhidas I. Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1996.

DANEY, Serge. “Le travelling de Kapo”. Trafic, n.04, 1992.

DANOWSKI, Débora; CASTRO, Eduardo Viveiros de. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Desterro, Cultura e Barbárie e Instituto Socioambiental, 2014.

DANZINGER, Leila. “Shoah ou Holocausto: a aporia dos nomes”. In: Arquivo Maaravi, Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG. Belo Horizonte, v. 1, n. 1, out. 2007.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Remontagens do tempo sofrido. O olho da história, II. Trad. Vera Casa Nova e Marcia Arbex. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2018.

______. Cascas. Trad. André Telles. São Paulo: Ed. 34, 2017.

______. “Alguns pedaços de película, alguns gestos políticos”, entrevista concedida a Ilana Feldman. In:Cascas. São Paulo: Ed. 34, 2017.

______. Que emoção! Que emoção? Trad. Cecília Ciscato. São Paulo: Ed. 34, 2016.

______. Images malgré tout. Paris: Minuit, 2003.

COHEN, Marcel. Entrevista a Verónica Galíndez. In: Manuscrítica, revista de crítica genética, USP, n. 27, 2014. Disponível em: http://revistas.fflch.usp.br/manuscritica/article/viewFile/2173/2032

______. A esfera de Magdeburgo. Escrever a Catástrofe, testemunho e ficção. Trad. Guilherme Bonvicini e Raíssa Cardoso. Coleção Pequena Biblioteca de Ensaios. Zazie Edições, 2018.

FELDMAN, Ilana. “Imagens apesar de tudo: problemas e polêmicas em torno da representação, de ‘Shoah’ a ‘O filho de Saul’”. In: ARS, publicação do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da ECA/USP v.14, n.18, 2016, pp.134-153. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ars/article/view/124999/121903

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. “História, memória, testemunho”. In: Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo:Ed. 34, 2006.

HAGGITH, Toby; NEWMAN, Joanna. Holocaust and the Moving Image. Londres: Wallflower Press, 2005.

HILBERG, Raul. A destruição dos judeus europeus. Trad. Carolina Barcellos et al. São Paulo: Amarilys, 2016.

LEVY, Primo. É isto um homem? Trad. Luigi Del Re. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

KRACAUER, Siegfried. De Caligari a Hitler. Uma história psicológica do cinema alemão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

______. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu. Palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz PerroneMoisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MITTELL, Jason Mittell. “Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea”. In: Matrizes, Ano 5 – nº 2 jan./jun. 2012, São Paulo, p. 29-52.

RANCIÈRE, Jacques. “O espetador emancipado”. In: O espetador emancipado. Trad. Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2012, p. 07-26.

ROLLET, Sylvie. Une éthique du regard. Le cinema face à la catastrophe, d’Alain Resnais à Rithy Panh. Paris:Hermann, 2011.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SELIGMANN-SILVA, Marcio. “Construir paraquedas coloridos? Corona e os sonhos para além do apocalipse e da redenção”. Arte!Brasileiros, 01 de maio de 2020. Disponível em:

https://psicanalisedemocracia.com.br/2020/05/construir-paraquedas-coloridos-corona-e-os-sonhos-paraalem-do-apocalipse-e-da-redencao-por-marcio-seligmann-silva/

SERVIGNE, Pablo; STEVENS, Raphaël. Comment tout peut s’effondrer. Paris: Seuil, 2015.

SILVA, Marcel Vieira Barreto. “Origem do drama seriado contemporâneo”. In: Matrizes. V. 9 - Nº 1 jan./jun. 2015, São Paulo, p. 127-143.

VIRILIO, Paul. Guerra e cinema. Trad. Paulo Roberto Pires. São Paulo: Boitempo, 2005.

WIESEL, Elie. La Nuit. Paris: Les Éditions de Minuit, 2007.

WIEVIORKA, Annette. L’ère du temoin. Paris: Hachette, 2009.

______. “Le témoin filmé”. In: FRODON, Jean-michel. Le cinema et la Shoah. Paris: Éditions Cahiers du Cinéma, 2007.

Publicado

2021-05-24

Edição

Seção

Dossiê Distopia e narrativas contemporâneas: a difícil arte de imaginar o futuro