Abordagens Teóricas para Estudo da Teatralidade em Performances Midiáticas

Dramas, roteiros, ações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed43.2021.225

Palavras-chave:

Performance, Teatralidade, Drama social, Redes sociais digitais

Resumo

Debater a natureza das performances midiáticas requer apreender sua teatralidade: a dramaturgia, o roteiro, os enlaces ficcionais que mantêm potentes as tramas envolvendo sujeitos. Num contexto profundamente autorreferente, em que posicionamentos e encenações em redes sociais digitais acionam conflitantes pontos de vista sobre indivíduos, é preciso questionar: quais as variáveis em torno da adesão a ações performáticas em contextos de rede sociais digitais? A análise de controvérsias envolvendo sujeitos em contextos de alta visibilidade modulam diferentes formas de teatralizar conflitos, acionando uma pragmática da ação em rede e seus lugares de atuação em diferentes quadros performáticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Soares, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Professor e pesquisador do Programa de Pós-graduação em Comunicação (PPGCOM) e do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Realizou pós-doutoramento na Universidade Federal Fluminense (UFF); doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e mestrado em Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Coordenador do grupo de pesquisa em Comunicação, Música e Cultura Pop (GruPop/ UFPE) e integrante do grupo de pesquisa Laboratório de Análise em Música e Audiovisual (LAMA/ UFPE).

Referências

AMARAL, Adriana. Manifestações da performatização do gosto nos sites de redes sociais: uma proposta pelo olhar da cultura pop. Revista Eco-Pós. v.17, n.3, 2014. p. 1-12.

AMARAL, Adriana, POLIVANOV, Beatriz e SOARES, Thiago. Disputas sobre performance nos estudos de Comunicação: desafios teóricos, derivas metodológicas. Revista Intercom – RBCC. São Paulo, v.41, n.1, jan./abr. 2018. p.63-79.

AUSTIN, J.L. Quando Dizer é Fazer – Palavras e Ação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BARBA, Eugênio. A canoa de papel: tratado de antropologia teatral. São Paulo: Hucitec, 1994.

BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Difel, 2003.

BRUNO, Fernanda. Monitoramento, classificação e controle nos dispositivos de vigilância digital. Revista Famecos. v.15, n. 36. Porto Alegre, 2008. p. 10-16.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão de Identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Drama, ritual e performance em Victor Turner. Revista Sociologia & Antropologia. v.3. n.6. Rio de Janeiro, novembro, 2013. p. 411–440.

DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo: Uma Impressão Freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

DORT, Bernard. O Teatro e Sua Realidade. São Paulo: Perspectiva, 1977.

FAUSTO NETO, Antônio. Enunciação, auto-referencialidade e incompletude. Revista Famecos. v.13, n. 34. Porto Alegre, 2007. p. 78-85.

FÉRAL, Josette. Além dos Limites: Teoria e Prática do Teatro. São Paulo, Perspectiva: 2015.

GOFFMAN, Erving. The presentation of self in everyday life. Harmondsworth: Penguin, 1969.

HENNION, Antoine. Pragmatics of taste. In: JACOBS, M., HANRAHAN, N. The Blackwell Companion to the Sociology of Culture, Blackwell, pp.131-144, 2005.

_____. Music Lovers. Taste as performance. Theory, Culture & Society, v. 18, n. 5, Dec. 2007.

JANOTTI, Jeder e SÁ, Simone Pereira de. Cenas Musicais. Rio de Janeiro: Anadarco, 2015. p.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença – o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto e PUC-Rio, 2010.

MEAD, George. Mind, self and society. Chicago: University of Chicago Press, 1934.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

_____. O artista como Performer: Dilemas do Eu Espetacular nas Artes Contemporâneas. Performance Presente Futuro. Rio de Janeiro: Contracapa, 2010.

_____. Autenticidade e performance: a construção de si como personagem visível. Fronteiras – Estudos Midiáticos. v.17, n.3, 2015.

SÁ, Simone Pereira de. Somos Todos Fãs e Haters: Cultura Pop, Afetos e Performance de Gosto nos Sites de Redes Sociais. Revista Eco-Pós. v.19, n.3, 2016.

SÁ, Simone Pereira de e POLIVANOV, Beatriz. Auto-Reflexividade, Coerência Expressiva e Performance como Categorias para Análise dos Sites de Redes Sociais. Revista Contemporanea - Comunicação e Cultura. v.10, n.03, set-dez 2012. p. 574-596.

STRAW. Will. Scenes and Sensibilities. Public. n.22, v.23. 2002. p. 245-257.

_____. Cenas Culturais e as Consequências Imprevistas das Políticas Públicas. In: JANOTTI, Jeder e SÁ, Simone Pereira de. Cenas Musicais. Rio de Janeiro: Anadarco, 2015. p. 13-28.

SODRÉ, Muniz. Bios Midiático. Dispositiva. Belo Horizonte, v.2, n.1, maio/outubro de 2013. p. 108-110.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

TURNER, Victor. Schism and continuity in an African society. Manchester: Manchester University Press, 1996.

_____. From Ritual to Theater: The Human Seriousness of Play. New York, Performing Arts Journal Publications, v.22, n.1. p-13-27. Janeiro de 1982.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

_____. Tradição e esquecimento. São Paulo: Hucitec, 1997.

_____. Performance, recepção e leitura. São Paulo: Educ, 2000.

Publicado

2021-05-24

Edição

Seção

Artigos