Esporte, comunicação e sociologia:

uma leitura da trajetória acadêmica e da produção intelectual de Ronaldo Helal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v22.ed47.2022.267

Palavras-chave:

Futebol, Meios de comunicação, Identidade nacional, Copas do Mundo, Viagem como vocação

Resumo

O artigo objetiva reconstituir a trajetória de Ronaldo Helal, um dos pioneiros da introdução dos esportes no campo acadêmico da Comunicação e das Ciências Sociais no Brasil. A reconstituição do seu percurso formativo e da sua produção bibliográfica tenciona demonstrar os marcos do amadurecimento de um método, voltado à identificação das narrativas midiáticas da nação, por intermédio de esportes coletivos como o futebol profissional. Ao longo de três decênios, o autor
vem desenvolvendo uma metodologia de análise dos discursos jornalísticos sobre a performance da Seleção brasileira nos torneios quadrienais da FIFA, mais conhecidos como Copas do Mundo. Argumentamos para tanto que um diferencial de sua perspectiva sobre a construção do nacionalismo esportivo tem sido um deslocamento progressivo do olhar, ao eleger fontes
estrangeiras – periódicos do Uruguai, da Argentina e da França – para compreender as relações de identidade enunciadas pela mídia impressa acerca do Brasil e da suposta natureza do jogador brasileiro. Tal descentramento permite desvelar a construção de estereótipos identitários, ao mesmo tempo em que possibilita relativizar o paradigma da “essência” da nação em eventos competitivos internacionais. Propõe-se, por fim, que a capacidade de construir uma obra autoral relaciona-se também ao conceito de “viagem como vocação”, mobilizado pela antropóloga Fernanda Peixoto para abordar uma tradição de intelectuais que interpretaram o Brasil, graças a um movimento simbólico-espacial de aproximação e distanciamento, com o reconhecimento especular das alteridades e das diferenças nacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARO, F.; HELAL, R. Esporte e mídia: a influência da obra de Hans Ulrich Gumbrecht. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2015.

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARCHETTI, E. Masculinidades: fútbol, tango y polo en la Argentina. Buenos Aires: Antropofagia, 2003.

ARAÚJO, R. B. Os gênios da pelota: um estudo do futebol como profissão. Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado em Antropologia Social/MN-UFRJ, 1981.

CABO, A; HELAL, R. Copas do Mundo: comunicação e identidade cultural no país do futebol. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2014.

CAMPBELL, J. As mil faces do herói. São Paulo: Cultrix, 1989.

DaMATTA, Roberto. (Org.) Universo do futebol. Rio de Janeiro: Edições Pinakoteque, 1982.

DAMO, A. “Os selvagens da bola”. In: Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 30 de setembro de 2009.

DUNNING, E. Barbarians, gentlemen, and players. London: Routledge, 1979.

ELIAS, N. Mozart: sociologia de um gênio. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1994.

FREYRE, G. “Ainda a propósito de futebol brasileiro”. In: Revista O Cruzeiro. Rio de Janeiro, 25 de junho de 1955.

GUEDES, S. L. Futebol, instituição zero. Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado em Antropologia Social/MN-UFRJ, 1977.

GUTTMAN, A. From ritual to record: the nature of modern sports. New York: Columbia University Press, 1978.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Porto Alegre: DP&A, 2006.

HELAL, R. O que é sociologia do esporte. São Paulo: Brasiliense, 1990.

________. Passes e impasses: futebol e cultura de massas no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1997.

________. Helal, uma paixão rubro-negra. Rio de Janeiro: Letras e Versos, 2019.

HOBSBAWM, E.; RANGERS, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

LEITE LOPES, J. S. “A morte da Alegria do Povo”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo:ANPOCS, n. 20, ano 7, 1992, p. 1-24.

________. “A vitória do futebol que incorporou a pelada”. In: Revista USP. São Paulo: n. 22, 1994, p.64-83.

________. “Considerações em torno das transformações do profissionalismo no futebol a partir da observação da Copa de 1998”. In: Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: n. 23, 1999, p. 175-191.

LOVISOLO, H.; HELAL, R.; SOARES, A. J. A invenção do país do futebol: mídia, raça e idolatria. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2001.

________. J. Futebol, jornalismo e ciências sociais: interações. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2011.

MORSE, R. O espelho de Próspero. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

MOSTARO, F. HELAL, R. 2018. “Foot-ball mulato e o imaginário nacional: a atmosfera de sentidos da Copa de 1938”. In: Alceu. Rio de Janeiro: v. 19, n. 37, 2018, p. 16-35.

PEIXOTO, F. A. A viagem como vocação: itinerários, parcerias e formas de conhecimento. São Paulo: EDUSP, 2015.

RIBEIRO, G. L.; FRIGERIO, A. (Orgs.). Argentinos e brasileiros: encontros, imagens e estereótipos. Petrópolis: Vozes, 2002.

RODRIGUES FILHO, M. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

VAZ, A. “Teorias críticas do esporte”. In: Revista Esporte & Sociedade. Rio de Janeiro: n. 1, 2005, p. 1-23.

WEISS, P. Sport: a philosophical inquiry. Illinois: Southern Illinois University Press, 1971.

Publicado

2022-10-10

Edição

Seção

Artigos