"Meu nome é Natasha"

Novas narrativas sobre transgeneridade na ficção seriada brasileira a partir da conquista de direitos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v20.ed41.2020.84

Palavras-chave:

Transgeneridade, Discurso, Telenovela

Resumo

Este artigo tem como interesse analisar as estratégias discursivas empregadas pela Rede Globo em sua ficção seriada televisiva para abordar transgeneridade e direitos a partir da aprovação de leis favoráveis a esse grupo social em decisões do Supremo Tribunal Federal. O STF garantiu, em 2018, às pessoas transgêneras ter sua identidade de gênero e seu nome alterados no registro civil sem precisar de cirurgia e, em 2019, criminalizou a LGBTfobia. Dessa forma, foram acompanhadas, em diários de observação, cenas de quatro produções (Malhação, A Dona do Pedaço, Bom Sucesso e Segunda Chamada) que tiveram personagens trans desde a implementação das leis. Por fim, compreende-se que, com todas as personagens, houve uma abordagem ligada a direitos mesmo sem se referir diretamente às leis, contribuindo para novas narrativas sobre transgeneridade na televisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Gouveia Moreira, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutor e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Jornalista e professor do Núcleo de Design e Comunicação do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco. 

Publicado

2020-10-02

Edição

Seção

Dossiê Narrativas midiáticas: tempo presente e história cultural