Testemunho em narrativas sobre violência

A construção de personagens em noticiários criminais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v23.ed49.2023.195

Palavras-chave:

Telejornalismo, Testemunho, Personagem

Resumo

O objetivo do estudo é refletir sobre o papel do testemunho na construção narrativa de personagens em noticiários criminais. No texto propõe-se um diálogo entre a forma como os personagens são construídos e a maneira como o público produz sentidos aos crimes exibidos em dois telejornais. O texto parte de uma discussão teórica sobre jornalismo, confissão e testemunho. Após a apresentação dos telejornais e do público, ancora-se nos resultados de uma análise de conteúdos realizada em 80 edições nos noticiários criminais Balanço Geral e Tribuna da Massa, ambos veiculados em Curitiba (PR), e em um estudo de recepção produzido a partir de entrevistas em profundidade com 18 telespectadores desses programas. Entre os resultados observa-se a personificação das fontes oficiais, a substituição de testemunhas oculares por tecnologias de vigilância e a ascensão de um tipo especial de personagem, o familiar, aspectos que contribuem para o engajamento do público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hendryo André, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Bolsista de pós-doutorado (PNPD/Capes) do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), instituição onde atua também como editor adjunto da revista Pauta Geral. Doutor em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (2018). Mestre em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal do Paraná (2012) e bacharel em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Positivo (2009). É professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), onde integra o Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura Ciber - Click, vinculado ao CNPq.

Referências

ATHAYDE, Celso; BILL, MV; SOARES, Luiz Eduardo. Cabeça de Porco. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

ANDRÉ, H. “Violência fascinante em vidas tão normais”: relações de estigmatização e invisibilidade social na recepção de noticiários criminais. 2018. 528 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Jornalismo, Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

______. Quando dilemas viram rotinas: desafios éticos na produção de noticiários criminais. Ação Midiática, Curitiba, p. 177-197, n. 27, v.1, jan. 2021.

BRAIT, B. A personagem. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

BRASIL. Daniel Cerqueira et al. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (org.). Atlas da Violência. Rio de Janeiro: Ipea, 2018a. 69 p. Disponível em: https://bit.ly/2PaOjK5. Acesso em: 16 fev. 2021.

BRITO, P. R. M. A. DE. A epistemologia do testemunho: visão reducionista. Porto Alegre: PUC, 2012.

CASADEI, E. B. A Construção de Personagens no Jornalismo: entre a matriz de verdade presumida e a imaginação das urdiduras de enredos. C-Legenda, v. 22, n. 1, p. 77-91, 2010.

COULDRY, N.; HEPP, A. A construção mediada da realidade. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2020.

CUNHA, M. J. A narrativa jornalística em testemunho. In: MOTA, C. L.; MOTTA, L. G.; CUNHA, M. J. (org.). Narrativas midiáticas. Florianópolis: Insular, 2012. p. 117-138.

DAS, V. O ato de testemunhar: Violência, gênero e subjetividade. Cadernos Pagu, v. 37, p. 9-41, 2011.

FAORO, R. A questão nacional: a modernização. Estudos Avançados, São Paulo, v. 6, n. 14, p.7-22, 1992.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

FROSH, P.; PINCHEVSKI, A. Media witnessing: Testimony in the age of mass communication. London, England: Palgrave Macmillan UK, 2008.

FURUZAWA, C. P. Comunicação e indústria audiovisual: crime, compensação simbólica e outras questões sobre as séries policiais televisivas. Porto Alegre: PUC, 2014.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 64-89.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HAMILTON, F. A. Monitorando telejornais: desafios e perspectivas. In: CHRISTOFOLETTI, R.; MOTTA, L. G. (org.). Observatórios de Mídia: olhares de cidadania. São Paulo: Paulus, 2008. p. 95-114.

HERSCOVITZ, H. G. Análise de conteúdo em jornalismo. In: LAGO, C.; BENETTI, M. (org.). Metodologia de pesquisa em jornalismo. 3. ed. Petrópolis: 2010. p. 123-142.

JÁCOME, P. Tensões entre ficção e não ficção no mundo possível do Jornal Nacional. In: LEAL, B. S.;

LAGE, L. Cenas do testemunho na televisão: o (des)encontro de mundos. Galáxia, n. 29, p. 110-122, 2015.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

MUNIZ, F. Platão contra a arte. In: LOBO, R. H. (org.). Os filósofos e a arte. Rio de Janeiro: Rocco, 2010. p. 15-42.

O CANAL. Curitiba: audiências consolidadas, sexta-feira, 29 de dezembro de 2017. Audiências consolidadas, sexta-feira, 29 de dezembro de 2017. 2017. Disponível em: https://bit.ly/38qB6nL. Acesso em: 6 jan. 2021.

ORTIZ, R. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. ed. 5. São Paulo: Brasiliense, 2001.

PERES, A. C. Narrar o outro: notas sobre a centralidade do testemunho para as narrativas jornalísticas. Galáxia, n. 31, p. 92-104, 2016.

PILLI, L. Critério de classificação econômica Brasil. São Paulo: Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3ah0pb1. Acesso em: 7 ago. 2020.

REUTER, Y. A análise da narrativa: o texto, a ficção e a narração. 2. ed. Rio de Janeiro: Difel, 2007.

RIBEIRO, A. P. G.; SACRAMENTO, I. A renovação estética da TV. In: RIBEIRO, A. P. G.; SACRAMENTO, I.; ROXO, M. (org.). História da televisão no Brasil: do início aos dias de hoje. São Paulo: Contexto, 2010. p. 109-135.

RICTV. Balanço Geral. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2XzQWGK. Acesso em: 6 ago. 2020.

SANTORO, F. Aristóteles e a arte poética. In: LOBO, R. H. (org.). Os filósofos e a arte. Rio de Janeiro: Rocco, 2010. p. 43-57.

SARTI, C. A construção de figuras da violência: a vítima, a testemunha. Horizontes Antropológicos, v. 20, n. 42, p. 77-105, dez. 2014.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 7. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SHIRKY, C. A cultura da participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SODRÉ, M. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

VAN KRIEKEN, K.; HOEKEN, H.; SANDERS, J. From Reader to Mediated Witness: The Engaging Effects of Journalistic Crime Narratives. Journalism & Mass Communication Quarterly, v. 92, n. 3, p. 580-596, 2015.

WILLIAMS, R. Televisão: tecnologia e forma cultural. São Paulo: Boitempo; Belo Horizonte: PUCMinas, 2016.

Downloads

Publicado

2023-08-30

Como Citar

André, H. (2023). Testemunho em narrativas sobre violência: A construção de personagens em noticiários criminais. ALCEU, 23(49), 102–123. https://doi.org/10.46391/ALCEU.v23.ed49.2023.195

Edição

Seção

Artigos