Comunicação pós-massiva de massa

Autores

  • Adilson Vaz Cabral Filho Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed45.2021.75

Palavras-chave:

Mídia pós-massiva, Internet, Big data

Resumo

Compreendendo a Internet como um ambiente comunicacional pós-massivo, que possibilita fabricar e consolidar verdades em prol de interesses distintos por parte dos sujeitos que as movem, esta pesquisa reforça a dimensão massiva dessa comunicação, a partir de uma abordagem que parte da compreensão de processos pós-massivos e de desmassificação das mídias, como a TV se afirma como “a nova televisão” e como a economia da Internet se aproveita disso; em seguida, reflete a articulação de estratégias de propagabilidade e controle dos algoritmos a partir da mineração de dados e, por fim, enfoca o reordenamento do controle de informações pelo big data, identificando seus operadores como os que sustentam o velho e o novo capitalismo desde o advento da indústria cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, C. 2006. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro, Ed. Campus, 240 p.

BRASIL. Casa Civil. 2018. Lei Geral de Proteção de Dados. Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Lei/L13709.htm. Acesso em 12/02/2019.

_________________. 2014. Marco Civil da Internet. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em 12/02/2019.

CAPARELLI, S. 1980. Comunicação de Massa sem massa. São Paulo, Ed. Cortez, 124 p.

CASTELLS, M. 2007. Communication, Power and Counter-power in the Network Society. In International Journal of Communication. 1, 2007, p. 238-266.

CHRISTIAN, B. e GRIFFITHS, T. 2017. Algoritmos para viver: a ciência exata das decisões humanas. São Paulo, Ed. Companhia das Letras, 528 p.

GILDER, G. 2001. Telecosmo, a era pós-computador: como a infinita largura de banda irá revolucionar o mundo. Rio de Janeiro, Ed. Campus, 390 p.

BURGESS, J. e GREEN, J. 2009. YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo, Ed. Aleph, 240 p.

HILL, S. 2015. Raw Deal: How the "Uber Economy" and Runaway Capitalism Are Screwing American Workers. New York, St. Martin’s, 336 p.

HOINEFF, N. 1996. A nova televisão: desmassificação e o impasse das grandes redes. Rio de Janeiro, Ed. Relume-Dumará, 181 p.

JENKINS, H.; GREEN, J.; FORD, S. 2014. Cultura da conexão: Criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo, Ed. Aleph, 408 p.

___________. 2009. Cultura da convergência. São Paulo, Ed. Aleph, 432 p.

KEEN, A. 2009. O culto do amador: como blogs, MySpace, YouTube e a pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores. Rio de Janeiro, Ed. Zahar, 208 p.

LEMOS, A.; LÉVY, P. 2010. O Futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo, Ed. Paulus, 258 p.

LIPOVETSKY, G. 2007. A felicidade paradoxal: ensaios sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo, Ed. Companhia das Letras, 368 p.

LUCA, C. de. 2019. A era do uso irresponsável dos seus dados está chegando ao fim. Disponível em https://porta23.blogosfera.uol.com.br/2019/02/08/a-era-do-uso-irresponsavel-de-dados-esta-chegando-ao-fim/. Acesso em 11/02/2019.

MOSCO, V. 2017. Becoming digital: toward a Post-Internet Society. Bingley, Emerald, 248 p.

OMNICORE. 2019. YouTube by the Numbers: Stats, Demographics & Fun Facts. Disponível em https:/www.omnicoreagency.com/youtube-statistics/. Acesso em 13/02/2019.

THE GUARDIAN. 2019. The Cambridge Analytica files. Disponível em https://www.theguardian.com/news/series/cambridge-analytica-files. Acesso em 12/02/2019.

WOLFF, Michael. 2015. Televisão é a nova televisão: o triunfo da velha mídia na era digital. São Paulo, Ed. Globo, 192 p.

WOLTON, Dominique. 1996. Elogio do grande público: uma teoria crítica da televisão. São Paulo, Ed. Ática, 320 p.

Publicado

2021-12-16

Edição

Seção

Artigos