“Conversar” e “engrossar”:

sobre a maleabilidade das regras no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed44.2021.241

Palavras-chave:

Jeitinho, Favor, Corrupção, Jeitinho brasileiro, Cultura brasileira, Práticas sociais, Reciprocidade

Resumo

A relação entre as leis e as práticas sociais no Brasil tem sido objeto frequente de reflexão por parte de cientistas sociais, autoridades públicas e mesmo de pessoas comuns. Alguns analistas apontam para a maleabilidade das regras de acordo com os contextos, enquanto outros argumentam em favor do endurecimento dos códigos. Este artigo pretende apresentar uma contribuição ao debate a partir da relativização cultural dessas posições extremas. A pesquisa vem se estendendo por mais de uma dezena de anos, envolvendo trabalho de campo, com aplicação de questionários, entrevistas informais com perguntas abertas e observação etnográfica direta. A orientação teórica principal consiste em considerar certas situações como “dramas sociais” (GLUCKMAN, 1987; TURNER, 1970, 1974, 1975; DAMATTA, 1979, 1985, 1993) em que se buscam soluções de conflitos. Os dados demonstram que a plasticidade das regras no Brasil é um fenômeno cultural, atuante tanto nas esferas macro quanto nas microscópicas da sociedade. Confirmam também que esta maleabilidade não se limita a abrandar os efeitos das leis, correspondendo com frequência ao endurecimento das mesmas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos Rodrigues, PUC-Rio

possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense UFF (1970), graduação em Direito pela Universidade Federal Fluminense (1972), mestrado em Antropologia Social pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1975) e doutorado em Antropologia pela Université Paris 7 (1981). É professor titular aposentado de antropologia da UFF e professor associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Foi professor visitante da Indiana University (EUA). Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Teoria Antropológica, atuando principalmente nos seguintes temas: consumo, simbolismo, cultura brasileira, sociologia urbana, semiótica, comunicação de massa, concepções de corpo, saúde e morte. É autor dos livros Tabu do Corpo (1979 - editora Fiocruz, disponível em SciELO Livros), Tabu da Morte (1983 - editora Fiocruz, disponível em SciELO Livros), Antropologia e Comunicação (1989 - disponível no site da Editora da PUC-Rio), Ensaios em Antropologia do Poder (1992), Higiene e Ilusão (1995), O Corpo na História (Editora Fiocruz) Comunicação e significado (2006) e Imaginários e dramas sociais: estudos de significação (2015 - disponível no site da Editora da PUC-Rio) 

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

Rodrigues, J. C. (2021). “Conversar” e “engrossar”:: sobre a maleabilidade das regras no Brasil. ALCEU, 21(44), 52–71. https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed44.2021.241

Edição

Seção

Artigos