A hora da estrela e suas adaptações

Cinema, televisão e literatura entre realismo e reflexividade

Autores

  • Eduardo Miranda Silva PUC-Rio

DOI:

https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed44.2021.250

Palavras-chave:

Cinema, Televisão, Literatura, Realismo, Metaficção

Resumo

Tendo como ponto de partida as reflexões de Rodrigo S.M. no romance A Hora da Estrela, de Clarice Lispector, o artigo se propõe a discutir algumas das opções narrativas em duas adaptações audiovisuais da obra literária. Na primeira obra, o filme homônimo A Hora da Estrela, de 1985, a diretora Suzana Amaral opta por focalizar apenas a história de Macabéa, deixando de fora as elucubrações de um narrador culpado. Em um segundo momento, o programa de televisão Cena Aberta, de 2003, do diretor e roteirista Jorge Furtado, ajusta seu foco justamente na problemática de se falar pelo outro de classe. Nossa hipótese inicial sugere uma dificuldade do cinema de destituir o intelectual tradicional de seu poder de narrar, no caso do filme de Suzana Amaral. Mas também aponta para a perda do outrora poder de choque a qual a metalinguagem se propunha. Essa mesma metalinguagem é o instrumento primeiro de fatura utilizado por Jorge Furtado na adaptação de Lispector para o programa da TV Globo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Miranda Silva, PUC-Rio

Possui graduação em Comunicação social - Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2006), mestrado em Comunicação pela PUC-Rio (2009) e doutorado em Literatura, cultura e contemporaneidade pela PUC-Rio (2015), atuando principalmente nos seguintes temas: cinema, literatura, cinema brasileiro contemporâneo, roteiro e narrativa. Atualmente, desenvolve estágio de Pós-Doutorado na mesma instituição, com bolsa do CNPq e sob a supervisão da Prof. Drª Vera Lúcia Follain de Figueiredo.

Publicado

2021-09-29

Como Citar

Miranda Silva, E. (2021). A hora da estrela e suas adaptações: Cinema, televisão e literatura entre realismo e reflexividade. ALCEU, 21(44), 243–256. https://doi.org/10.46391/ALCEU.v21.ed44.2021.250

Edição

Seção

Artigos